O caso do elétrico “to nowhere”: para quê 4,9 milhões de euros?

Pelos Cidadãos por Coimbra, Pedro Bingre do Amaral sublinhou a posição do movimento ao considerar que “esta não é uma posição sensata para a rede de transportes municipais”, não pelo meio de “transporte em si, mas pelas populações que vai servir”. Ou seja, “não se vê um movimento pendular” que justifique a circulação entre aqueles dois pontos da cidade, entende.

“Público”, 21 de novembro

 

 

apresentacao1

“As Beiras” 22 de novembro

 

 

 

 

Advertisements

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s